noites de poesia #3 – “Cântico Tinto”

E hoje, que para mim é dia de poesia (a primeira 5ª feira do mês) deixo aqui um poema bem engraçado para partilhar convosco. É de um poeta cá da zona, o J.M. de Matos Vila e pelo que sei, foi criado numa de brincadeira com o “Cântico Negro” de José Régio. O poeta é tão porreiro que doou a edição “a favor dos bombeiros (que sabem dar à água uma aplicação adequada)”. Haja sentido de humor!

Já vão perceber tudo. Ora leiam.

Não bebas vinho» – dizem-me alguns com olhos abstémios,

retirando-me os copos, e seguros

De que seria bom que eu os ouvisse

Quando me dizem: «não bebas vinho»!

Eu olho-os com olhos bêbados

(Há, nos meus olhos, ironia e mágoa)

E enxugo mais um copo,

E nunca bebo água…

A minha glória é esta:

Sem a botija cheia,

Não acompanhar ninguém!

– Que eu bebo vinho com o mesmo à-vontade

Com que um menino chupa o leite a sua mãe.

Não, não vou por aí! Só vou por onde

Haja tascas no caminho…

Se quando a conta vem meu bolso é que responde,

Porque me repetis: «não bebas vinho»?

Prefiro ir esbarrar nos guardas sonolentos

Sentir que sou levado pelos ventos,

Redemoinhar em volta dos postes macilentos,

A não beber vinho…

Se vim ao mundo, foi

Só para esvaziar canecas cheias,

E para lavar os pés tenho a água reservada…

O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós

Que me fareis discursos, rogos e promessas

Querendo entre mim e os copos pôr obstáculos?

Corre, nas vossas veias, sangue velho e capilé

E vós amais o que não tem sabor!

Eu amo o Aveleda, o Colares, o Cartaxo,

Só no verde e no tinto ponho fé

Só ao branco e ao maduro tenho amor…

Ide! tendes laranjadas,

Tendes sumos, tendes cocas

Tendes Vidago , Pedras Salgadas

E outras águas “boas”, gabadas pelos sábios…

– Eu tenho a minha alegre bebedeira!

Levanto-a, como um facho, ou uma bandeira

E sinto espuma, e vinho, e cânticos nos lábios…

O Copo e a Garrafa é que me guiam, mais ninguém.

Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;

Mas eu, a quem beber jamais estafa,

Nasci do amor que há entre o Copo e a Garrafa.

Ah, que ninguém me dê água de Luso em garrafões!

Ninguém me ofereça pingos ou galões,

Ninguém me diga: «não bebas vinho»!

A minha vida é uma rolha que saltou.

É uma garrafa que se esvaziou

É um copinho a mais que me animou…

Não sei por onde vou,

Não sei para onde vou,

O que não vou é sem vinho!

 

M. de Matos Vila, Cântico Tinto

Santa Maria da Feira, 1998

 

Anúncios

2 thoughts on “noites de poesia #3 – “Cântico Tinto”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s