A partir de hoje…

E pelo menos durante 15 dias, este blog encontrar-se-á totalmente de molho. Mas não é SÓ de molho, é mesmo até ficar com os dedos, o corpo todo, até a ponta do nariz enrugados.

Se ainda assim, e nos entretantos tiver alguma coisa de extrema importância para vos dizer, volto cá. Mas sempre com a outra mão e o resto do corpo dentro de água, salgada e quente.

Sem programa para o fim de semana? #2

A pipi aconselha! Passem por Águeda e se tiverem oportunidade não percam Kusturica & The No Smoking Orchestra no dia 24 de julho, pelas 22:00h, no Palco Principal do AgitÁgueda. O festival já existe há dez anos e são 23 dias repletos de eventos gratuitos que tornam a cidade de Águeda o centro das atenções.

Cultura, música, arte urbana, animação de rua, desporto, gastronomia e muita diversão são os pontos fortes, acho que nunca desilude! E a instalação dos guarda chuvas? Tão gira! Mais informações sobre a programação/animação aqui.

Imagem daqui.

Qual ratinho de pêlo branco e olhos vermelhos, tudo pela ciência!

A convite de uma amiga, visitei recentemente a UPTec, que faz incubação de novas empresas, ajudando jovens empreendedores a criarem os seus negócios e a desenvolver protótipos dos seus produtos e serviços. Foi através dela que conheci a Inovapotek, uma spin-off na área farmacêutica/cosmética que desenvolve novos produtos e tecnologias, realizando também testes para empresas clientes. Precisavam de voluntários para um estudo sobre a melanina da pele (aquela que nos faz ser mais ou menos brancos, e ficar mais ou menos bronzeados). Ora, eu que sou pessoa dada a conhecer pessoas e coisas novas, e por saber bem o difícil que pode ser arranjar amostra suficiente para um estudo, lá me voluntariei para cobaia. Qual ratinho de pêlo branco e olhos vermelhos. O estudo não era invasivo, por isso tudo bem, não custa ajudar. Tratava-se de avaliar o índice de melanina da pele, recorrendo a um método subjetivo (perguntas – respostas) e depois medido com exactidão (através de vários aparelhos eletrónicos em duas partes diferentes do corpo) e comparar os resultados das duas vertentes. Fiquei assim a saber que tanto subjetivamente como pela análise exacta, pertenço ao grupo de pessoas European Mix, aquele tipo de cor que não é bem branco, que bronzeia com  facilidade, que muito raramente fica queimado/vermelho e de olhos e cabelos castanhos. De bónus, as investigadoras ainda me examinaram a pele da cara, sardas, manchas, rugas e tal, e fiquei toda contente porque me disseram que a minha pele está impecável num estado muito reduzido de envelhecimento e muito bem hidratada. Convém continuar assim, com os hábitos que tenho todos os dias: desmaquilhar, lavar, hidratar – e continuar com a rotina do protector solar, quer haja ou não sol, verão ou inverno (se bem que no Inverno baldo-me um bocado). Além disso nunca exponho a cara ao sol (tirando obviamente quando ando na rua ou quando vou a conduzir) e parece que isso faz toda a diferença. Basicamente estive lá uns 40 minutos no meio da juventude universitária, a beber daquele clima de faculdade, não foi nada seca e ainda me ofereceram em jeito de agradecimento, os últimos produtos cosméticos que desenvolveram nos laboratórios deles! Ainda não tive tempo de experimentar nada mas não duvido da sua qualidade, e acima de tudo fico contente de ver esta malta nova, toda pro activa, com boas ideias de negócio e um suporte à altura para as desenvolver. Parabéns à Inovapotek e à UPtec.

  

Último workshop do ano letivo! Ufa!

Um dos workshops que costumo fazer todos os anos e nunca falha é o de instrumentos musicais reciclados. Vou procurando ideias ao longo do ano, experimentando técnicas e materiais e aproveito as férias de verão dos miúdos (que a esta altura já não querem trabalhar nada de sério nem fazer contas, nem fazer nada que envolva cadernos e lápis), para o fazer. Aliás, de reciclagem percebo eu, que passo a vida a “guardar lixo” na garagem, devidamente armazenado e etiquetado em caixas para que depois nestas alturas tenha todos os materiais necessários e em quantidades suficientes para todas as inscrições. Este ano escolhi shakers, castanholas-crocodilo e uma espécie de mini-congas para fazer com eles. É uma óptima atividade para realizar com a criançada lá de casa, desenvolve a motricidade, incentiva-os a reciclar (e a guardar lixo, como eu faço) e é óptimo para aproveitar aquelas tardes em que não dá para ir à praia, por exemplo.

  

   
Shakers (copos pequeninos de shot ou copos de iogurte, massinhas pevide ou couscous)

Castanholas-crocodilos (cartão, cartolina verde vermelha e branca, tampinhas vermelhas)

Mini-congas (garrafas de coca cola de 1,5L, pauzinhos de gelado, bolinhas de esferovite)

*podem sempre mandar mail para oblogdapipi@gmail.com que explico tudo com mais detalhe!

 

 

Vá, para compensar a gordice da semana passada…

Uma espécie de sumo detox. Ainda está na moda, não está? 🙂 Eu adoro sumos naturais e batidos de fruta e às vezes faço este, quando me sobra salada. (Brincadeirinha!) Gosto de os fazer para o lanche da tarde, misturado com pedras de gelo e tudo muito bem trituradinho.

Para o sumo verde os ingredientes são:

– espinafres

– alface lisa

– menta ou hortelã

– maçã

– kiwi

– limão

– gelo

Triturar tudo com o gelo no liquidificador e beber fresquinho! É melhor o sabor que o aspecto, garanto-vos!

IMG_0305

A foto é minha, de um lanchinho antigo, mas ainda está na moda, não está? AHAHAH

Ouvi e gostei #11

PAUS. Gosto das duas baterias ou uma bateria siamesa como eles dizem, não sei bem. Não sou grande fã deles, não conheço a obra (têm 3 álbuns, só ouvi o último). Diz que é rock experimental, feito pelo Hélio Morais, Makoto Yagiu, Joaquim Albergaria e Fábio Jevelim – que também participam noutros projetos como os Linda Martini, por exemplo.

Eu acho que têm uma sonoridade diferente que fica um pouco esquisita com palavras portuguesas por cima. No entanto acho graça, pela diferença de tudo o que anda por aí. Eu ouvi e gostei especialmente deste tema, que vos deixo: Mo People, do último álbum – Mitra.

 

Bronze com proteção ao melhor estilo: “fui ali a Carcavelos mas parece que vim de Bora Bora”

Eu sou pessoa que adora ir à praia. Para mim praia é boa a qualquer hora, mar então? Nem se fala. Basicamente adoro tudo que esteja ligado à praia, ao verão e ao calor. Se não der para ir à praia, posso ficar a apanhar sol na esplanada, na boa. Agora, não descuro a proteção solar e não apanho sol na cara, nunca! Que isto das rugas adensa-se e toda a gente sabe que o sol é o melhor amigo delas e das manchas. Agora no corpo…a conversa já é outra, adoro apanhar uma corzinha de verão, como diz a Ana Bacalhau na música dela. Principalmente nas pernas, que nunca consigo que fiquem devidamente bronzeadas acho eu que deve ser por andar sempre enfiada na água. Isto tudo para vos contar que descobri o melhor bronzeador do mundo. Chama-se tan deepeneer da lancaster. Ao melhor estilo boião daqueles “vou fritar”. Até aqui tudo normal, pensam vocês, esta miúda é doida e vai-se mergulhar em boiões de cenoura. Só que não. A parte maravilhosa desta minha descoberta é que o bronzeador maravilhoso que vos falo tem factor de proteção (FPS) 30, protege dos UVA, UVB e infra-vermelhos e eu nunca tinha visto tal coisa. Trata-se de um creme com consistência de geleia e com cor, que ajuda bastante a bronzear e cria uma cor muito bonita, protegendo ao mesmo tempo. Ando maravilhada com esta aquisição! Não é totalmente seco mas também não é colento, não deixa ficar a pele vermelha, não tem uma tonalidade laranja-foleira e protege a sério: uso no corpo e na cara e tem cumprido bem a missão. A única desvantagem é mesmo o preço, mas encontram-se promoções bem jeitosas em perfumarias online. Na minha opinião vale bem cada centavo!

  
Imagem daqui.