Ouvi e gostei #42

Flash Mob Jazz. Fazem covers daqueles temas bons que toda a gente conhece. E não há nada de mal nisso, pelo menos para mim. Muitas das vezes os covers são bem melhores que o original.

Aqui o som dos Flash Mob é bom, a pinta deles também. As vozes encaixam bem umas nas outras. Adoro!

O género de música que posso ouvir em loop, uma noite inteira e nunca me canso. Os vídeos deles são todos tão fofos. Tocam ao vivo em Brighton todas as segundas e em mais não sei quantos sítios de certeza, é ver no site deles. Candidato-me desde já a vocalista suplente! Ou só para fazer os coros, ou outra coisa qualquer! Era bom, era! 🙂

Tive alguma dificuldade em escolher o tema porque são todos tão giros! Mas deixo-vos este clássico, a versão deles de “Sing Sing Sing” (1936, Benny Goodman / Louis Prima).

Ah e confirma-se aquilo que eu costumo dizer sobre os baixistas…neste caso contrabaixista! Vejam-me lá bem este moço!

Acho que ia gostar de conhecer Brighton!

 

Anúncios

ouvi e gostei #41

Terrakota. Mais uma, na onda de música do mundo. O que eu adoro música com ritmo meio africano! Este tema – o “Ta Fuma” – mistura isso tudo com cuíca, com uma onda bestial. Então esse pézinho? Não consegue resistir, não é?!

É sexta feira! Vamos lá, pessoal!

Diz a wikipedia que:

 “O projecto Terrakota é uma banda de música portuguesa com uma sonoridade diversificada de África, das Caraíbas, Índias e Oriente. Têm como ponto de partida a música orgânica da África Negra, misturada com as sonoridades frescas das Caraíbas, das Índias e do Ocidente. Nos Terrakota, a variedade de ritmos é a palavra-chave que permite transpôr a energia de Romì, Junior, Alex, Francesco, David, Humberto e Nataniel, os sete elementos que constituem a banda. Por isso mesmo, essa fusão de influências reggae, sons do sahel, música mandinga, wassolou, chimurenga sound, música árabe, ritmos afro-cubanos ou soukous impõe o uso de uma grande variedade de instrumentos, provenientes dos vários pontos do globo – desde as congas ao djambé ou didjeridoo, além dos habituais baixo, guitarra e bateria.”

Eu adoro! Para sexta feira está bom demais!

 

Os meus vizinhos

Pipi-man toca guitarra quase todos os dias.

Eu canto quase todos os dias. No banho ou na cozinha. E com voz a sério quando ensaiamos na sala.

Eu toco piano algumas vezes.

Excepcionalmente toco um bocadinho de flauta de bisel para exemplificar um excerto ou outros instrumentos de percussão assim ao acaso.

Hoje à tarde, por brincadeira, toquei uma flauta de bisel sopranino (extremamente irritante).

Os meus vizinhos compraram o apartamento ao lado deste há pouco tempo. Suspeito que pensem coisas do género quando nos ouvem:

– “Eu bem te disse Maria, que por este preço, o apartamento tinha de ter algum defeito!”

ou

– “Oh não!!!! Eles também têm um piano/flauta/cenas (que fazem barulho)!”

ou

– “Ó Zé, eu não acredito, anda cá ouvir isto, já é demais! Agora estão a tocar um pífaro estridente maluco!”

Curiosamente até agora, nunca disseram nada. Mas deve ser mais ou menos assim que imaginam a minha casa.

imagem daqui.

 

ouvi e gostei #38

Speakeasies’s swing band. São gregos, e têm dois albuns editados. Pertencem àquele género que só há demasiado pouco tempo soube que adorava: o eletro swing jazz.

O género de som a que me juntava já amanhã para ser vocalista de uma banda a sério. Têm o ritmo certo, a voz é boa, os solos também ( o solo de clarinete na banheira!), o vídeo é delicioso. Eu ouvi e gostei de muitos temas, mas deixo-vos hoje este Bright lights late nights.

A-do-ro.

Música de festa, para dançar – e ver dançar também – a noite toda.

Jazz Minde 2017, apareçam!

Foto de JazzMinde.

Ora pois que Pipi já tem estadia marcada e bilhetes para o festival de Jazz de Minde deste ano! Se estiverem na zona, não deixem de visitar, porque este ano – para além da música boa que se faz e ouve por lá – ainda vaão ter direito ao plus de uma feira de gastronomia  a decorrer em simultâneo: vai ser muita gente boa, muita tasca jeitosa, muita comida de chorar por mais…e com direito a caminhada matinal (só para os fortes!) no meio do verde! Se o ano passado adorei (como vos contei aqui) este ano…tinha de voltar!

Deixo-vos o cartaz aqui em baixo e a página onde podem ver todas as informações necessárias. Eu vou hoje para baixo, usufruir dos 3 dias, com muito gosto.

Foto de JazzMinde.

ouvi e gostei #35

Jesus Alejandro, el niño. Não sei bem onde é que apanhei este tema, mas ouvi e gostei. Mais ao estilo world music, salsa e tal que também gosto. O Jesus é conhecido como “El niño” e de origem Cubana. Nasceu em Havana e emigrou para os Estados Unidos, mudou-se depois para Montreal no Canadá e vive por lá.

Adoro a onda deste tipo de música, as guitarras, as vozes e os solos de trompete! Deixo-vos com este tema que se chama “Serrana”.

Dançai gente, dançai! 🙂

ouvi e gostei #33

Mirror People, outra vez. Já tinha falado deles aqui no blog, com um dos temas da minha vida, o “Come over”. Mas agora têm álbum novo – “Bring the light” – e do que ouvi, esta foi a que mais gostei. Estão mais electrónicos, sem bateria acústica (perdem mais do que ganham, na minha opinião), mais crus –  mas bons na mesma e à portuguesa. Orgulho. E os videoclips? Sempre impecáveis.

Não é dos melhores temas deles de todos os tempos, mas é um tema bem jeitoso. Ora ouçam lá.