Jazz Minde 2017, apareçam!

Foto de JazzMinde.

Ora pois que Pipi já tem estadia marcada e bilhetes para o festival de Jazz de Minde deste ano! Se estiverem na zona, não deixem de visitar, porque este ano – para além da música boa que se faz e ouve por lá – ainda vaão ter direito ao plus de uma feira de gastronomia  a decorrer em simultâneo: vai ser muita gente boa, muita tasca jeitosa, muita comida de chorar por mais…e com direito a caminhada matinal (só para os fortes!) no meio do verde! Se o ano passado adorei (como vos contei aqui) este ano…tinha de voltar!

Deixo-vos o cartaz aqui em baixo e a página onde podem ver todas as informações necessárias. Eu vou hoje para baixo, usufruir dos 3 dias, com muito gosto.

Foto de JazzMinde.

ouvi e gostei #35

Jesus Alejandro, el niño. Não sei bem onde é que apanhei este tema, mas ouvi e gostei. Mais ao estilo world music, salsa e tal que também gosto. O Jesus é conhecido como “El niño” e de origem Cubana. Nasceu em Havana e emigrou para os Estados Unidos, mudou-se depois para Montreal no Canadá e vive por lá.

Adoro a onda deste tipo de música, as guitarras, as vozes e os solos de trompete! Deixo-vos com este tema que se chama “Serrana”.

Dançai gente, dançai! 🙂

ouvi e gostei #33

Mirror People, outra vez. Já tinha falado deles aqui no blog, com um dos temas da minha vida, o “Come over”. Mas agora têm álbum novo – “Bring the light” – e do que ouvi, esta foi a que mais gostei. Estão mais electrónicos, sem bateria acústica (perdem mais do que ganham, na minha opinião), mais crus –  mas bons na mesma e à portuguesa. Orgulho. E os videoclips? Sempre impecáveis.

Não é dos melhores temas deles de todos os tempos, mas é um tema bem jeitoso. Ora ouçam lá.

ouvi e gostei #33

Jamie Commons. E a culpa é do walking dead, que foi lá que ouvi este tema fantástico. Lead me home. O Jamie é um músico de blues rock e folk britânico, de Londres.

Tem qualquer coisa de dark a voz dele, sempre a despique com a guitarra, crua e penetrante. Este tema que vos deixo é o Lead me Home. Parece que vou ter de descobrir o resto, que a voz dele não me sai da cabeça. Já ouvi também o Blackbird Song e gostei igualmente.

As músicas do ouvi e gostei também não podem ser sempre animadas, pois não? 🙂

Ora ouçam lá, se não conhecem vão ficar fãs do rapaz, concerteza. Ainda por cima é todo lindão, e com uma voz destas não lhe deve faltar groupies a atirarem-se-lhe aos pés.

ouvi e gostei #32

Pleasure Seekers. Ainda dizem que as mulheres não fazem música da boa. Ai não, não fazem! As Pleasure Seekers fizeram, eram uma banda dos anos 60 com cinco raparigas muito jeitosas do Michigan. O som é muito porreiro, eu ouvi esta “Give up the funk” e gostei.

E por isso fica aqui esta versão da música delas, para vos alegrar a sexta feira.

 

pérolas infantis #10

Numa de consciencializar a miudagem para o lixo e para o desperdício que se faz no planeta, costumo falar de reciclagem com os meus miúdos. E mostrar-lhes que se podem fazer coisas fixes aproveitando lixo embalagens que seriam deitadas fora, para fazer instrumentos musicais. Às vezes faço coisas todas bonitas com eles, como vos mostrei aqui, quando tenho tempo.

No caso levei maracas recicladas com diversos materiais no interior, para que adivinhassem só pelo som (sem ver o conteúdo) o que estava lá dentro. Alguns miúdos adivinharam logo, outros tiveram de aproveitar pistas que vou dando para conseguirem perceber que o som era produzido com baguinhos de arroz, massinhas de canja, feijões ou areia.

A maioria acha muita piada quando vê que é uma maraca reciclada e não a sério, mas não passa muito disso. Lá ouvem a minha lengalenga sobre reciclar mas a coisa não vai muito além da aula, não vai longe, portanto.

E depois há aqueles miúdos que nos surpreendem. Na semana seguinte a este episódio que vos conto, a Lara que é uma miúda muito fofa a quem dou aulas, não sossegou enquanto não a deixei ir buscar a mochila porque “tinha uma surpresa” lá dentro.

Lá a deixei mostrar e foi isto que ela me apresentou. A maraca reciclada mais bonitinha de todo o sempre, que fez em casa “com a ajuda do pai, que colou o pauzinho”. E ainda fez outra de um rolo de papel higiénico. A melhor parte desta história é que me perguntou no fim (tal e qual eu lhes faço a eles):

– O que é que está cá dentro, ora adivinhem lá?… Faz este som… É da cozinha, cheira bem e é castanho…

Eram grãos de café. Uma ideia própria que ela tirou da cartola.

Lara, 5 anos.

  

ouvi e gostei #25

The Lumineers. São uma banda de indie folk rock norte americana que exite há uns 10 anos. Fazem parte da banda o Wesley Schultz voz e guitarra, o Jeremiah Fraites – bateria, e a Neyla Pekarek – voz e violoncelo. Editaram já dois álbuns, e a música que eu mais gosto deles saiu este ano, é do álbum Cleopatra e chama-se Ophelia. Gosto da voz dele, do pianinho, da sonoridade final. Achei este vídeo em particular, muito giro. Têm a página de facebook deles, para saber mais, aqui. Ouvi e gostei e não há muito mais a dizer. Ora espreitem.

 

Oh, Ophelia, you’ve been on my mind girl since the flood
Oh, Ophelia, heaven help a fool who falls in love…